Biomutant review bio contaminada

0
39
biomutant
biomutant

Um lindo game, padrão até demais, Biomutant tem um valor fora da sua realidade

Desenvolvido pela Experiment 101 e distribuído pela THQ Nordic. Biomutant chegou como uma grande promessa, mas para muitos foi só decepção, só não sei o quanto isso se dá a grande espera ou se realmente é problema com o game. Por isso não irei analisar Biomutant pelas promessas feitas anteriormente ou mesmo pela expectativa, até porque eu realmente não estava esperando tanto assim, para mim era um jogo bonito que parecia ter potencial.

Criação de Personagem

O jogo começa muito bem, a criação de personagem é muito interessante e faz com que as suas características impliquem no visual do personagem, primeiramente você deve escolher entre as 6 raças que são Primal, Dumdon, Rex, Hyla, Fip e Murgel cada uma delas com suas próprias características e visual, após a escolha da raça, vem a seleção dos atributos iniciais, em uma roda você precisa posicionar onde quer que seu personagem tenha o foco, dessa forma não tem como colocar muita força e inteligência por exemplo, uma vez que uma fica do lado oposto da outra, essa escolha afeta fisicamente a aparência do personagem, seja ficando maior, mais alto, cabeçudo etc.

Da mesma forma que se escolhe os atributos, agora se escolhe as resistências, que em Biomutant são Calor, Frio, Radioatividade e Ameaça Biológica, e por fim a escolha da classe, que são Pistoleiro, Soldado, Psicodoido, Sabotador e Sentinela, cada uma além de alterar o visual terá uma skill e equipamentos próprios para iniciar o game.


Para finalizar é só escolher a cor dos pêlos. Em breve nessa análise irei dizer porque apesar de tão interessante à primeira vista, e a longo prazo nada disso faz sentido.

Batalhas

A mesma fórmula de sempre, uma mistura de estilos, algo entre batman e DMC. Porém o balanceamento e a utilidade dos combos e habilidades como um todo, tudo é muito sem real utilidade, tranquilamente consegue ir apenas esmagando o botão de ataque, ou com uma arma de longo alcance, depende do que você encontrar ou criar com uma boa qualidade, uma vez que as armas fazem uma grande diferença na sua forma de jogar, quebrando totalmente as escolhas efetuadas no momento de criação do personagem.

Pequena variedade de inimigos, sendo perceptível o reaproveitamento com pequenas mudanças. As lutas contra os chefes são até interessantes, porém, se limitam aos chefes principais que são poucos, mas as lutas são realmente memoráveis.

Pontos Positivos

O jogo possui várias mecânicas bem interessantes, como criação e personalização de armas e equipamentos, escolhendo cada uma de suas partes e adicionando modificadores. Cada um com seu nível de raridade e propriedades, dando a possibilidade de atirar com um trompete, atacar com um rolo de macarrão pegando fogo com um cabo de escova de dentes, com uma mini motosserra na ponta, as possibilidades são praticamente infinitas.

Assim como as armas, os equipamentos podem receber modificadores, deixando as possibilidades de combinações assim como as armas quase infinitas, lembrando que alguns equipamentos podem elevar as resistências, importante para ter acesso sem contador de tempo em algumas áreas.

Algumas áreas ao entrar inicia-se um contador baseado em sua resistência, seja uma área quente, gelada, radioativa etc. E para andar livremente por essas áreas, você precisa elevar sua resistência a tal status, podendo assim ter um conjunto de equipamentos para entrar em cada uma das áreas, essa mecânica dá uma importância aos equipamentos e não apenas focado na defesa do personagem.

Pontos Negativos

A história é meio tartaruga ninja em um mundo pós apocalíptico. É um tal de salvar a árvore para salvar o mundo da destruição iminente e bla bla bla. Sinceramente não achei uma boa história, não me prendeu ou mesmo marcou em momento algum. Com o narrador contando literalmente tudo, me deixou ainda mais desinteressado.

O fato do jogo se utilizar de uma língua própria, e precisar de um narrador para traduzir tudo que é dito, no início ok, mas depois de um tempo deixa o jogo extremamente cansativo e sem personalidade, sem contar que precisa do narrador para todo e qualquer diálogo, mesmo que seja com um simples NPC que não irá falar nada de relevante.

A captura do posto avançado é diferente em cada uma das situações, alguns você vai sabotar, outros uma abordagem mano a mano etc. Porém, essas mecânicas se repetem e acabam deixando os postos avançados repetitivos, a ideia é boa, mas a execução poderia ser bem mais trabalhada.

Às vezes o recurso de retornar ao último checkpoint após morrer simplesmente não vai servir para nada, porque te coloca a beira da morte certa, não te dando chance de escapar, isso aconteceu em vários momentos, principalmente em áreas com contador por conta da resistência a determinado elemento.

Em jogos de exploração é normal ter áreas e locais que simplesmente não podem ser acessados, mas como sou bem curioso, vou em cada canto e tento subir e explorar das formas mais inusitadas, e me vi várias vezes preso e tendo que dar load por não poder sair.

Lembra da criação de personagem e eu disse que tudo aquilo a longo prazo não fazia sentido, então, você pode criar um atirador e ao longo do jogo mudar para ataque corpo a corpo, ou focar nas habilidades etc, ou seja, a linda criação do personagem, a longo prazo não serve para absolutamente nada, porque independente das escolhas no momento da criação do personagem, no final do jogo todos vão estar exatamente iguais. Sem contar que a maioria das armaduras vai cobrir todo o corpo do personagem, sendo assim, nem a aparência vai fazer diferença no fim.

Conclusão

Biomutant é redondinho, tão redondo que rola sem deixar marca alguma. É um lindo jogo visualmente, cansativo e com uma história fraca e entediante, seja pela presença do narrador, seja por ela em si. São horas e mais horas de muitas side quests, locais para visitar, e recursos para coletar, para quem gosta de jogos casuais para ficar coletando as coisas pelo mapa vai amar, porém, a repetição vive aqui e sem muito carisma a não ser o visual que em muitos momentos salva da decepção ainda maior.

Um game que vale a pena ser jogado para quem entende os problemas e não se importam de rodar por um belo ambiente subaproveitado. Definitivamente não vale o preço cheio, talvez pela metade (ou menos) do valor seja sim uma oportunidade de explorar os belos cenários.

Jogo analisado no PC (steam) com código fornecido pela THQ Nordic.

Artigo anteriorDying Light 2 terá novidades dia 27 (quinta-feira)
Próximo artigoGuia, dicas e truques de Biomutant para iniciantes
Apaixonado por games desde sempre, tive o prazer de acompanhar grande parte da evolução e decadência do mundo dos games. RPG, Ação, Aventura, FPS, etc etc etc jogo quase tudo.

Deixe um comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.