Indies

Review de Jupiter Hell, gerencia de ação baseada em turnos

Na minha infância, ia na casa de amigos e via os mesmos jogando doom, inserindo disquetes e muitas vezes gritando de raiva porque o mesmo estragou rsrsrs. Cresci vendo meus amigos falando muito bem de Doom, mas só vim a ter a oportunidade de jogar no playstation 1. Existem vários jogos que misturam o estilo Doom com mecânica baseada em turnos, então Jupiter Hell não seria o primeiro.

Jupiter Hell é um roguelike baseado em turnos com câmera de cima que se inspira em Doom, bem como em muitos outros jogos de tiro dos anos 90 e início do ano 2000. Nele, você joga com uma das três classes: Scout, Marine ou Technician, cada uma com sua própria lista de habilidades. Não importa a classe que você escolher, seu personagem se encontra preso em uma instalação repleta de zumbis e monstros, então você pega sua arma mais próxima e começa a trabalhar.

Embora Júpiter Hell seja um jogo de estratégia, é relativamente simples de aprender, porque, apesar de no geral as mecânicas serem simples, a tática para vencer os desafios é essencial. Você não precisa fazer malabarismos com botões, no entanto, tornando a tomada de decisão tão importante como em qualquer outro jogo baseado em turnos. 

Se você fizer um movimento ou executar uma ação, todo o resto se moverá, mas com um pouco mais de consideração tática. Os inimigos podem se esconder atrás de uma cobertura para reduzir a chance de serem atingidos, mas você também pode e deve se utilizar desse recurso para sobreviver o máximo possível. 

Algumas armas exigem que você recarregue com frequência e não existe recarregamento automático, o que acabou me deixando em maus lençóis em vários momentos. Outra causa de mortes era a minha movimentação, sempre dando um passo  sendo um combate inesperado, mas isso é realmente apenas minha culpa, já que seus movimentos determinam se o inimigo terá a chance de se mover. Mas minhas mortes devido à minha própria negligência me fizeram perceber o quanto eu queria mais uma experiência tradicional baseada em turnos, pelo menos quando você encontra um inimigo. Do outro lado da moeda, Júpiter Inferno ainda tem a sensação cinética que um bom jogo de ação deveria ter, embora retenha alguma natureza tática.

Como um roguelike, a morte em Jupiter Hell significa o fim de uma corrida, fazendo com que você comece do início. Há progressão durante cada corrida, mas não há meta abrangente ou progressão central. Além disso, e provavelmente o aspecto mais prejudicial, é o fato de que cada personagem tem habilidades estáticas. Depois de fazer todas as construções de um personagem, não há potencial para nada novo. Isso significa que se você vencer o jogo com os três personagens, não haverá muito mais o que fazer depois disso. Portanto, é um jogo divertido.

Conclusão

Jupiter Hell vai te proporcionar muita ação e diversão, com cenários e músicas que te fazem realmente pensar que está em um “DOOM” tático. Com o desenrolar do jogo as coisas foram esfriando e uma monotonia tomou conta, porém, isso pode ser algo muito pessoal. Quem gosta da série doom e quer experimentar algo mais tático pode ser uma boa pedida, aos amantes de roguelike eu diria que não terá uma experiência épica, mas pode lhe divertir.

NÃO DEIXE DE CONFERIR MAIS REVIEWS AQUI NO NOSSO SITE OU NA NOSSA CURADORIA NA STEAM.

Trailer Oficial de Jupiter Hell

Mais recentes

To Top