More
    InícioArtigosDiversidade entre profissionais dos e-sports está gradualmente aumentando

    Diversidade entre profissionais dos e-sports está gradualmente aumentando

    Os e-sports, a vertente profissional dos videogames, cresceram e se tornaram uma indústria de bilhões de dólares. Dezenas de milhares de pessoas participam de eventos de e-sports para ver os jogadores competirem em games como League of Legends e Counter-Strike, e os principais atletas de e-sports levam para casa milhões de dólares todos os anos. Além disso, grande parcela dos jogadores, inclusive no Brasil, consome diariamente conteúdos ligados a e-sports.

    Mas, como tantas áreas da indústria dos games, esta vem sendo dominada por homens há muito tempo. Apenas 5% dos jogadores profissionais de e-sports eram mulheres, de acordo com um estudo de 2019; este número não parece ter melhorado muito ao longo do tempo. As mulheres ainda estão sub-representadas nos videogames profissionais, mas a expansão das redes de apoio e outras mudanças culturais estão alterando isso.

    Um meio dominado por homens

    Em meados dos anos 2000, era incomum ver mulheres participando de competições de e-sports ao vivo, de acordo com Heather Garozzo, uma veterana do mundo dos e-sports. Ela aderiu aos e-sports depois de ver seu irmão e seus amigos jogarem em torneios de e-sports.

    “Eu não precisava dizer às pessoas como eu era quando ia encontrar alguém em um evento porque bastava dizer ‘Procure a mulher e você vai me encontrar’”, lembrou Garozzo em entrevista a um portal de mídia dos Estados Unidos.

    Infelizmente, ainda são poucas as mulheres que participam dessas competições, principalmente no mais alto nível.

    “Na verdade, há uma grande diferença entre as pessoas nos grandes eventos e o número de mulheres que realmente jogam online em casa”, disse Morgan Romine, co-diretora do grupo de pesquisa e defesa sem fins lucrativos AnyKey.

    Romine estima que pelo menos 30% dos jogadores são mulheres ou meninas, que podem lutar com preconceitos sociais sobre sua capacidade de competir nos níveis mais altos. Isso pode levar a muito assédio e toxicidade online, o que pode afastá-los dos e-sports em geral. “Então, a princípio, você tem menos mulheres que estão entrando no mercado”, disse Romine.

    Mudanças culturais estão afetando o mercado

    Mas a cena dos e-sports e dos jogos em geral parece estar mudando quando se trata de dados demográficos. “Embora nossos dados mostrem mais homens jogando ou assistindo a e-sports do que mulheres, essa diferença está diminuindo muito”, disse Tom Morris, gerente de tendências da empresa de pesquisa de mercado GWI. O apoio para mulheres que querem estar nos e-sports – seja jogando, trabalhando nas transmissões, gerenciando times, ou realizando apostas em LoL e CS:GO na Midnite e outros sites do mercado de iGaming – também está crescendo.

    Essa ajuda varia de torneios organizados pela comunidade e redes de apoio aos próprios desenvolvedores de jogos lançando programas de apoio para atletas minoritários de e-sports nos últimos anos.

    Pelo menos da perspectiva de Heather Garozzo, tudo isso está tendo um impacto. Ela ainda está envolvida na indústria como chefe da Raidiant, empresa que oferece serviços para mulheres na comunidade de jogos, apesar de ter parado de competir em torneios de e-sports.

    “Agora, quando vou a torneios, fico impressionada com o número de mulheres”, disse Garozzo. “Só de assistir como amigos é incrível. Isso não existia antigamente.”

    Talvez com o tempo veremos mais mulheres ganhando destaque no mundo dos e-sports. Produções como o documentário PeB Cards, que traz um debate sobre o papel da mulher na indústria dos e-sports, também podem auxiliar numa maior inclusão feminina em um mercado amplamente dominado por homens.

    Indústria nos EUA é mais diversa que outros mercados

    De acordo com o estudo da American Gaming Association, a agência que supervisiona o mercado de jogos nos Estados Unidos, o setor de games é mais diversificado do que as normas nacionais e da indústria de hospitalidade, especialmente em seu fluxo executivo.

    Cerca de 61% dos trabalhadores da indústria são minorias raciais e étnicas, em comparação com 52% da indústria hoteleira em geral e 42% da força de trabalho total dos EUA, segundo o estudo. De acordo com o relatório, as hierarquias profissionais da indústria dos jogos e as posições de gerentes de primeiro e médio nível são 45% das minorias. Ambas as taxas são 10 a 12 pontos mais altas do que as médias nacionais e de hospitalidade.

    O setor tem chance de se desenvolver, pois a diversidade de gênero é consistente com a força de trabalho nacional. Seguindo as tendências da população em geral, 48% da força de trabalho na indústria de jogos é composta por mulheres, embora a porcentagem diminua conforme você sobe nas classificações de trabalho, de acordo com o comunicado de imprensa da AGA.

    RPS Games
    RPS Games
    Apaixonado por games desde sempre, tive o prazer de acompanhar grande parte da evolução e decadência do mundo dos games. RPG, Ação, Aventura, FPS, etc etc etc jogo quase tudo.

    Deixe um comentário!

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Novidades

    Mais lidos